PUBLICIDADE
Topo

Histórico

O que já se sabe sobre o barco que surgiu soterrado em praia de Santos

Jorge de Souza

22/08/2020 04h00

 

Imagens: http://projetokestrel.org.br

Três anos atrás, quando a maré baixou, a praia de Santos (litoral de São Paulo) revelou algo semienterrado na areia: uma fileira de intrigantes pontas de madeira. Logo concluiu-se que fazia parte da estrutura de um grande e antigo barco – que, em seguida sumiu engolida pelo mar, para reaparecer outras tantas vezes depois.

Mas que barco era aquele?

Começava ali um enigma, que até hoje, três anos e algumas pesquisas depois, ainda não pode ser respondido com 100% de certeza – embora todas as evidências apontem na direção do mesmo barco: o veleiro-cargueiro inglês Kestrel, que sabidamente encalhou na praia de Santos, em 11 de fevereiro de 1895, e por lá ficou.

Certeza não absoluta

"Tenho 80% de convicção que são os restos do Kestrel, porque tamanho e localização do encalhe batem. Mas é preciso a comprovação científica", diz o pesquisador Sérgio Willians, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Santos e diretor técnico da Fundação Arquivo e Memória da cidade, que baseia sua opinião sobre a identidade do barco graças, também, a um antigo quadro.

Reprodução Sérgio Willians

A tela, pintada por Benedito Calixto, um dos grandes nomes da pintura brasileira do início do século passado e que viveu parte de sua vida em Santos, mostra um grande veleiro encalhado na beira de uma praia, mas foi erroneamente classificado como sendo o barco Caldbeck, e no município vizinho de Praia Grande.

Não era. Após comparar a paisagem ao fundo da tela com a topografia das praias dos dois municípios, Willians concluiu que aquela praia era a de Santos e que o barco retratado era o Kestrel – o mesmo que, tudo indica, agora vem aflorando gradualmente na areia da praia da cidade, 125 anos depois.

"Que o barco do quadro é o Kestrel, não tenho dúvidas, diz o pesquisador Willians. "Mas não posso afirmar com precisão que seja ele que está enterrado na praia, embora tudo indique que sim".

Só escavando para saber

A mesma opinião é compartilhada pelo arqueólogo Manoel Gonzalez, do Centro Regional de Pesquisas Arqueológicas de Santos, que vem acompanhando o surgimento gradual dos escombros desde 2017, quando os restos do barco apareceram claramente pela primeira vez na praia.

E ele é ainda mais otimista na identificação do barco.

"Arrisco dizer que há 90% de chances de ser o Kestrel, mas é preciso escavar o local para comprovar isso. E é aí que começam os problemas", diz Gonzalez, que ao mesmo tempo em que vibra com a descoberta de algo tão valioso para um arqueólogo, reconhece que não será nada fácil executar o trabalho.

"O local onde o barco está soterrado é extremamente ingrato, porque passa metade do tempo seco e outra metade debaixo d´água, por conta do sobe e desce das marés", explica o arqueólogo.

"Seria bem mais fácil se ele ficasse o tempo todo submerso, porque aplicaríamos técnicas de arqueologia submarina. Mas com essa variação de ambiente, não dá para fazer nem uma coisa nem outra. É preciso, primeiro, construir um grande muro em torno dele, para reter o mar e permitir escavar no seco. E isso custa caro", completa Gonzalez.

R$ 2 milhões para descobrir

O centro de pesquisas arqueológicas dirigido por Gonzalez orçou em cerca de R$ 2 milhões os recursos necessários para escavar o casco soterrado, sendo que a maior parte desse dinheiro seria destinada a construção do tal muro para reter o mar em torno do achado.

"Todos os orçamentos que temos para erguer uma contenção contra o mar passam de R$ 1 milhão", diz o arqueólogo. "Parece um valor absurdo, mas é preciso considerar que estamos falando de construir uma barreira capaz de resistir a força do mar, com três metros de altura e outros três enterrados na areia, para que a água não infiltre também por baixo. Na prática, é como construir uma ilha seca no meio do mar, para que possamos escavar".

Lixo ou pedaço de História?

O custo do projeto gerou comentários irônicos dos moradores de Santos, embora Gonzalez garanta que vá tentar buscar os recursos apenas na iniciativa privada.

"R$ 2 milhões para desenterrar lixo na praia? Só pode ser piada!", escreveu um morador da cidade, quando as primeiras notícias foram divulgadas. "Sai mais barato construir outro barco", acrescentou outro, dando coro aos indignados com a proposta de gastar tanto dinheiro para escavar os restos de um barco.

"Não é nenhuma relíquia bíblica. É apenas um monte de madeira velha. Nada que uma retroescavadeira e algumas caçambas não resolvam", resumiu outro morador, embora parte deles vejam a descoberta na praia com bons olhos, "desde que não atrapalhe a rotina dos banhistas na praia".

Por enquanto, a área em torno dos restos do barco foi apenas cercada, impedindo o acesso de curiosos às vigas de madeira que brotam na areia, e uma câmera de vigilância foi instalada pela Prefeitura, para monitorar o local.

O achado virou um problema

Além de intimidar atos de vandalismo ("Já vi gente arrancando pedacinhos de madeira para levar para casa como souvenir", diz, preocupado, o arqueólogo Gonzalez), o monitoramento tenta impedir acidentes com os banhistas na praia, uma vez que muitas partes do casco estão à mostra na areia e, quando a maré sobe, ficam perigosamente submersas.

"Tivemos que implantar câmera de vigilância, dedicar funcionários para monitorá-la e, cada vez que a maré sobe demais, é preciso refazer a cerca em torno do barco", diz Wagner Ramos, secretário de Serviços Públicos da Prefeitura de Santos, que, a partir de uma decisão do Ministério Público, se tornou responsável pela manutenção e guarda dos escombros.

"E isso tende a se tornar um trabalho quase eterno, porque vai levar muito tempo até que algo venha a ser efetivamente feito para remover os restos do barco da praia", acrescenta o secretário, que até vê certo potencial turístico para a cidade nos restos do barco soterrado na praia, mas desde que ele seja removido de lá.

"O barco teria que ser colocado em outro local, o que é igualmente difícil de operacionalizar", diz o secretário.

A única coisa que já se sabe é que o surgimento do barco na praia se tornou um problema para a própria cidade

Cada vez mais à mostra

O primeiro grande afloramento dos escombros do barco, em agosto de 2017, não aconteceu por acaso.

Pouco antes disso, o canal de acesso ao porto de Santos havia sido dragado, o que provocou uma alteração na movimentação das areias nas praias da baía e fez aflorar a velha embarcação.

Hoje, por conta do sobe e desce das marés, os escombros somem e reaparecem na praia duas vezes ao dia. E cada vez mais visíveis.

"Quando começamos a estudar o achado, só as pontas das vigas do casco ficavam à mostra. Hoje, algumas madeiras já estão meio metro acima da areia", diz o arqueólogo Gonzalez, que brinca. "Se pudéssemos esperar mais um século, talvez a própria natureza se encarregasse de escavar o barco para nós".

"Mas, agora, é obrigatório preservá-lo, porque, uma vez descoberto, os restos do barco se tornaram um bem com valor histórico e arqueológico que não pode mais ser destruído", avisa o arqueólogo, que, no entanto, imagina que não deva haver nada dentro do casco carcomido pelo tempo.

Após mais de um século soterrado, só deve ter restado a estrutura do casco. Mas isso tem valor arqueológico", explica.

Como ele foi parar ali?

O Kestrel era um veleiro de transporte de carga, com casco de madeira, três mastros e 60 metros de comprimento, que fazia a rota regular entre a Europa e as Américas.

Na sua última viagem, já havia descarregado no porto de Santos e estava ancorado, enquanto a maior parte da sua tripulação – inclusive o capitão – passeava pela cidade, quando uma tempestade, com fortes ventos, arrastou o barco para a praia.

A bordo, só havia o cozinheiro e dois marinheiros, que, estranhamente, recusaram a ajuda de um rebocador, que veio ajudar a deter o avanço do barco.

Isso, mais tarde, geraria suspeitas de que o encalhe poderia ter sido proposital, para o dono do barco receber o dinheiro do seguro, já que os navios movidos a vapor tinham tornado os veleiros-cargueiros obsoletos.

"Para mim, foi um golpe descarado e o objetivo da tripulação era destruir o barco, tanto que ele estava vazio, sem nenhuma carga", especula o memorialista Willians. "Isso enriquece ainda mais a história desse barco, se é que o que está na enterrado na praia são mesmo os restos do Kestrel", completa.

O golpe que deu certo

Na época, golpes desse tipo eram comuns, sobretudo na longa e quase deserta costa brasileira.

Um dos casos de golpe contra as seguradoras envolvendo barcos na costa brasileira mais célebres foi o do vapor italiano Sarita, em 1897, apenas dois anos depois do suspeito encalhe do Kestrel, em Santos.

O comandante havia recebido ordens de dar fim ao navio, e não pensou duas vezes antes de arremessá-lo de encontro a erma Praia do Cassino, no litoral do Rio Grande do Sul, colocando, depois, a culpa ao mau tempo.

Mas o que ele não esperava é que fosse se apaixonar pela região e se estabelecer para sempre na cidade de Rio Grande, onde deu origem a uma famosa e numerosa família, que existe até hoje: os Marasciulo – clique aqui para conhecer esta interessante história, que, ao contrário do enigmático – e agora problemático – barco enterrado na praia de Santos, desde o começo todo mundo sempre soube de onde veio.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Jorge de Souza é jornalista há quase 40 anos. Ex-editor da revista “Náutica” e criador, entre outras, das revistas “Caminhos da Terra”, “Viagem e Turismo” e “Viaje Mais”. Autor dos livros “O Mundo É Um Barato” e “100 Lugares que Você Precisa Visitar Antes de Dizer que Conhece o Brasil”. Criou o site www.historiasdomar.com, que publica novas histórias náuticas verídicas todos os dias, fruto de intensas pesquisas -- que deram origem a seu terceiro livro, também chamado "Histórias do Mar - 200 casos verídicos de façanhas, dramas, aventuras e odisseias nos oceanos", lançado em abril de 2019.

Sobre o blog

Façanhas, aventuras, dramas e odisseias nos rios, lagos, mares e oceanos do planeta, em todos os tempos.