PUBLICIDADE
Topo

Histórico

O bebê do mar: ela acabou de nascer, mas já navega no barco onde irá morar

Jorge de Souza

13/06/2020 04h00

Apenas duas semanas depois de nascer, a pequena Renata já vai encarar algo que a maioria esmagadora dos adultos jamais fez: uma longa travessia no mar.

Neste fim de semana, a bordo do veleirinho de apenas nove metros de comprimento que serve de casa para a sua família há dois anos, a bebê enfrentará cerca de 12 horas de navegação, entre Niterói — onde nasceu na semana passada em uma maternidade– e a Ilha Grande, no litoral sul do Rio de Janeiro, onde viverá os próximos meses.

Sempre a bordo do barco-casa ao lado dos pais, o casal argentino Juan Dorda e Constanza Coll, e o irmão Ulisses, de 4 anos.

Foto Renata Rocha/@rocharenatafotografia

"Não vai ter nenhum problema", garante o pai da bebê navegadora. "A Renata nasceu tão bem e saudável que só ficou dois dias na maternidade. No terceiro, já veio para o barco, que será a casa dela daqui em diante. E não estranhou nada".

Praia todos os dias

Desde que o bebê nasceu, nem a rotina desta curiosa família que mora no mar (clique aqui para conhecer melhor a história deles) foi alterada.

Eles seguem morando em um barco com pouco mais de 30 metros quadrados e desembarcando quase todos os dias para curtir as praias da região – mesmo com o bebê recém-nascido.

"O único incômodo é fazer caber tudo no botinho que usamos para ir do barco até a praia. Inclusive o cachorro e o bebê-conforto", diz o pai, que é um ex-psicólogo de Buenos Aires, que, junto com a mulher, uma ex-jornalista, abandonou tudo para viver uma vida diferente no Brasil. E com pouquíssimo dinheiro.

Vivem com um salário mínimo

Desde que decidiram largar os empregos que tinham na Argentina e mudar radicalmente de vida, a família, que nunca teve muitos recursos, vive exclusivamente do que recebe do aluguel do apartamento onde antes viviam, em Buenos Aires – o que equivale a pouco mais de um salário mínimo no Brasil.

"A vida num barco é extremamente barata", diz o pai da bebê que acaba de nascer. "E, para ajudar nas refeições, eu pesco".

"Levamos uma vida simples, mas maravilhosa", reforça a mãe da bebê, que, desde o terceiro dia de vida, também já vive sobre a água.

Covid alterou os planos

O plano original do casal era que a bebê nascesse na própria Ilha Grande, onde o barco da família costuma ficar ancorado, ou na cidade de Angra dos Reis, que fica em frente.

Mas a ilha não tem maternidade e o hospital de Angra dos Reis foi tomado por pacientes de Covid-19.

"Daí navegamos até Niterói, dias antes de a Renata nascer, e conseguimos uma maternidade que topou parcelar o pagamento do parto. Foi ótimo. E eles ainda deixaram a gente dormir no quarto. Foi a primeira vez que dormimos em terra-firme desde que viemos para o Brasil. O Ulisses até estranhou a cama não estar balançando", conta Juan, feliz da vida com o crescimento da família.

O berço é uma rede

Agora, para abrigar bem o bebê no barco, Juan planeja transformar uma pequena rede numa espécie de berço. "Veleiros balançam naturalmente. Então, bebês se sentem bem à vontade a bordo", analisa.

Foto Renata Rocha/@rocharenatafotografia

Por ter nascido aqui, Renata é única brasileira da família – os demais, todos argentinos, tem apenas autorização temporária de residência.

Mas seu nascimento pode ajudar o restante da família a conseguir a tão desejada dupla nacionalidade.

"Adoramos o Brasil e gostaríamos muito de ficar aqui, embora a gente não faça muitos planos para o futuro. Talvez, um dia, a gente parta com o barco para outros países, o que no nosso caso é fácil, porque a casa sempre vai junto", brinca.

Foto Renata Rocha/@rocharenatafotografia

Sem chuveiro nem geladeira

Como todo veleiro, no entanto, a "casa" da família argentina e seu bebê é um pouco diferente das outras. Não tem, por exemplo, chuveiro nem geladeira.

Mas nem isso preocupa a família.

"Bebê só precisa de leite materno, e isso não depende de refrigeração", diz Juan.

O primeiro banho de Renata no barco foi na pia da cozinha, sob extremo cuidado e carinho dos pais, como mostraram em suas redes sociais, no Instagram e Facebook.

Felizes da vida

"Tudo o que um bebê precisa é de atenção integral dos pais, e tempo para isso é o que nós mais temos hoje em dia", diz Juan, que também considera um barco como sendo o espaço ideal para uma criança, porque, "como o espaço é limitado, a família está sempre junta e unida", explica.

"Hoje, acompanho bem de perto cada passinho do desenvolvimento do Ulisses, e o mesmo acontecerá com a Renata", diz Juan.

Foto Renata Rocha/@rocharenatafotografia

"Curtimos cada momento do crescimento deles e isso é o que importa", diz o pai da bebê, feliz da vida com o crescimento da família, apesar do acanhado barco onde os quatro agora vivem.

Sobre o autor

Jorge de Souza é jornalista há quase 40 anos. Ex-editor da revista “Náutica” e criador, entre outras, das revistas “Caminhos da Terra”, “Viagem e Turismo” e “Viaje Mais”. Autor dos livros “O Mundo É Um Barato” e “100 Lugares que Você Precisa Visitar Antes de Dizer que Conhece o Brasil”. Criou o site www.historiasdomar.com, que publica novas histórias náuticas verídicas todos os dias, fruto de intensas pesquisas -- que deram origem a seu terceiro livro, também chamado "Histórias do Mar - 200 casos verídicos de façanhas, dramas, aventuras e odisseias nos oceanos", lançado em abril de 2019.

Sobre o blog

Façanhas, aventuras, dramas e odisseias nos rios, lagos, mares e oceanos do planeta, em todos os tempos.