PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Pessoas que moram em barcos dão dicas para quem está confinado em casa

Jorge de Souza

29/03/2020 04h00

Foto: El Barco Amarillo

Se, após uma semana de isolamento social, você não aguenta mais ficar dentro de casa, veja aqui o que tem a dizer quem já acostumou a viver – e bem! – em espaços ainda mais limitados, e com recursos bem menores do que os que vivem em uma casa de verdade.

Estas famílias optaram por morar em barcos, trocando a terra firme pelo mar – e não são tão poucas quanto você possa imaginar.

Quem decidiu por trocar a casa por um barco, onde tudo é bem mais limitado, a começar pelo espaço, tem também experiência em outra situação que todos estão vivendo neste momento: o isolamento, porque vivem no mar e sequer têm vizinhos.

"Quem mora num barco já vive um tipo de isolamento natural e voluntário, porque vive cercado pelo mar, onde não costumam haver outras pessoas", explica a paulista Priscila Lima, que, junto com o marido, o também paulista Claudio Diniz, mora em um veleiro na região de Paraty.

"Mas, longe de ser ruim, isso é muito bom, especialmente em tempos de coronavírus, porque, pela própria escassez de gente no mar, o vírus não consegue se espalhar. Estamos naturalmente protegidos" diz Priscila.

Com exceção, talvez, dos presidiários, poucas pessoas têm tamanha experiência em viver confinados em pequenos espaços (e, ainda por cima, geralmente compartilhados), quanto quem mora em um barco – onde, não raro, a "área habitável" não passa de 20 metros quadrados.

Por isso mesmo, quem decidiu fazer de um barco a sua casa é uma boa fonte de aconselhamento para quem está vivendo esta situação neste momento. E cada dia mais estressado com o confinamento doméstico.

Veja aqui o que eles têm a sugerir:

Aproveite o tempo para curtir a família

Tempo livre já é considerado o bem mais valioso da vida. Quem mora em um barco tem bastante tempo para isso, porque passa bem mais tempo em "casa" do que fora dela. E como raramente precisa se locomover em terra firme, também não perde tempo em deslocamentos ou no trânsito. Aproveite, portanto, esse duplo ganho de tempo para curtir a família aonde você menos costuma estar: em casa.

Pratique a tolerância e a paciência

O convívio social intenso e intermitente tende a minar os relacionamentos, porque nem sempre é fácil dividir o mesmo espaço com outras pessoas. Depois de algum tempo, a convivência tão estreita – e, ainda por cima, obrigatória – tende a deteriorar as relações familiares. Por isso, em nome da boa saúde mental das pessoas, é preciso haver tolerância, já que, em tempos de confinamento, tal qual na vida a bordo, não existe a válvula de escape de ir para as ruas. Por isso, quem mora num barco quase nunca briga, porque sabe não terá como evitar de ficar encontrando o outro, o tempo todo. Faça o mesmo.

Faça manutenção na casa

Alguém já disse que morar num barco é passar os dias consertando tudo o que quebra ou prevenindo o que está prestes a quebrar. Ou seja, a manutenção é constante, obrigatória, permanente e bem mais intensa do que em uma casa convencional. Por isso, quem mora num barco, não sabe o que é tédio – há sempre algo que precisa ser feito. Numa casa, não é muito diferente. Aproveite para pôr a mão na massa e deixar tudo novamente em ordem. Vai fazer bem para a cabeça, para a segurança, para o conforto… e para o bolso.

Torne suas refeições mais saudáveis

A imensa maioria dos barcos não tem geladeira, o que obriga seus ocupantes a serem bem cuidadosos na alimentação, que deve ser, acima de tudo, saudável – até porque nem sempre há um médico por perto. Perecíveis, por exemplo, só podem ser consumidos se forem frescos – uma máxima que deveria valer para todo mundo. E todas as refeições são sempre feitas a bordo e preparadas por eles mesmos. Aproveite, portanto, os almoços e jantares domésticos durante a quarentena para se alimentar melhor e com mais qualidade do que as refeições feitas na rua, durante os dias de trabalho. Sua saúde só tem a ganhar com isso.

Não passe o dia diante de uma tela

Raríssimos barcos possuem televisão. Até porque no mar não pega TV. Portanto, quem mora num barco não passa o dia diante do noticiário – que, em épocas de crise, como agora, embora necessário, não deve ser exagerado, para não tornar o ambiente ainda mais pesado. O ideal é limitar o uso de eletrônicos ao habitual da casa, ou apenas a uma parte do dia, usando o restante do tempo para outras atividades. Exatamente como fazem os donos de barcos, que nem sempre têm sinal de internet.

Divida todas as funções domésticas

Num barco, cada tripulante costuma ter uma função a bordo. Mesmo as crianças, para diverti-las, ensiná-las e para que se sintam úteis. Como muitas famílias estão, nesse momento, sem empregados domésticos, é preciso – e saudável, em todos os aspectos – dividir tarefas. Num barco, o comandante não é o único que trabalha. Siga o exemplo e faça o mesmo em casa.

Foto: Mozart Latorre

Aprenda a compartilhar espaços

Por maiores que sejam os barcos, eles sempre serão bem menores do que qualquer casa. Ou seja, morar num barco significa dividir o mesmo (pequeno) espaço com outras pessoas, o tempo todo. Isso exige tolerância, organização, consideração e respeito aos direitos alheios. Numa casa, pode ser a mesma coisa – só depende das pessoas. E o melhor remédio para isso, como ensinam as felizes famílias que vivem nos escassos metros quadrados do interior de um barco, é bem simples: levar tudo no bom humor. Até a falta de privacidade.

Tente controlar a ansiedade

No mar, o tempo é regido apenas pela natureza – não pelo relógio nem pelo calendário. Não adianta ter pressa nem fazer uma intensa programação que não possa ser alterada – embora ter alguma rotina seja saudável. Mas é preciso ir se adaptando, conforme permita a situação. Faça como os navegantes: se as condições do mar não estiverem favoráveis, fique em casa. E lembre-se: a tempestade sempre passa.

Sobre o autor

Jorge de Souza é jornalista há quase 40 anos. Ex-editor da revista “Náutica” e criador, entre outras, das revistas “Caminhos da Terra”, “Viagem e Turismo” e “Viaje Mais”. Autor dos livros “O Mundo É Um Barato” e “100 Lugares que Você Precisa Visitar Antes de Dizer que Conhece o Brasil”. Criou o site www.historiasdomar.com, que publica novas histórias náuticas verídicas todos os dias, fruto de intensas pesquisas -- que deram origem a seu terceiro livro, também chamado "Histórias do Mar - 200 casos verídicos de façanhas, dramas, aventuras e odisseias nos oceanos", lançado em abril de 2019.

Sobre o blog

Façanhas, aventuras, dramas e odisseias nos rios, lagos, mares e oceanos do planeta, em todos os tempos.