Topo

Histórico

Categorias

Barco histórico: “Lancha dos Presidentes” vai a leilão na Internet

Jorge de Souza

12/06/2019 10h53

No final da década de 1950, pouco antes de inaugurar Brasília, o então presidente do Brasil, Juscelino Kubitschek, mandou levar do Rio de Janeiro para a futura capital do país o então iate oficial da Presidência da República, para usá-lo no lago que estava construindo à beira da cidade – e também para deixar claro que, apesar das oposições, não mudaria seus planos de levar o comando do Brasil para o Planalto Central.

Sessenta anos e muitas reviravoltas depois, aquele barco, uma antiga lancha com casco envernizado de madeira de 15 metros de comprimento, ainda existe – apesar de, por muito pouco, não ter sucumbido ao tempo e ao habitual descaso brasileiro quanto ao seu patrimônio histórico.

Agora, ela pode pertencer a qualquer pessoa que esteja disposta a pagar os R$ 400 mil de lance mínimo pedidos num leilão na Internet, que começou na semana passada e irá até o início de julho.

Quem está promovendo o leilão é o atual proprietário do barco, o empresário catarinense Carlos Alberto Oliveira Júnior, dono de um centro cultural com diversos equipamentos náuticos antigos, em São Francisco do Sul, em Santa Catarina. Ele adquiriu a embarcação meses atrás, com a intenção inicial de mantê-la. Mas, ao descobrir que o barco necessitaria de muitos cuidados que não teria como atender, resolveu vender a lancha, através de um leiloeiro oficial na Internet.

"Ainda não há nenhum lance, mas estamos confiantes de que vamos conseguir vender a lancha para algum entusiasta do mundo náutico ou político, dado o caráter histórico deste barco", diz o leiloeiro catarinense Lúcio Ubialli, encarregado do negócio.

"Não é todo dia que se pode ser dono de algo que pertenceu a diversos presidentes da República", completa.

O barco em questão é a histórica lancha Gilda, assim batizada pelo próprio ex-presidente Juscelino Kubitschek em homenagem à mais famosa personagem da atriz sensação da década de 1940, Rita Hayworth, "porque era tão bonita quanto ela". E foi um dos grandes xodós do presidente que construiu Brasília.

"Sempre que queria impressionar alguém, JK convidava a pessoa para passear com ele no lago Paranoá a bordo da Gilda", diz o ex-proprietário da lancha, o empresário de Brasília Gerard Souza, que passou dez anos restaurando a lancha e não gostou de saber que ela, agora, está indo a leilão.

"Entreguei a lancha por um valor quase simbólico, porque achava que ela iria para um museu, que é o lugar certo para algo histórico, como esse barco"

O brasiliense Gerard é fã incondicional de JK — segundo ele, "o melhor presidente que o Brasil já teve".

"Agora, com o leilão, vai saber nas mãos de quem ela irá parar, e se o novo comprador vai saber cuidar direito de um barco que, além de exigir cuidados frequentes, porque é antigo e de madeira, faz parte da própria história da nossa República", aponta. O empresário diz ter gasto mais de R$ 800 mil restaurando o barco, durante o tempo em que a lancha ficou sob seus cuidados.

"Vamos buscar alguém que tenha condições de cuidar da lancha melhor do que nós", diz o representante do atual proprietário, Roberto Corrêa, que passou os últimos meses colocando a lancha em plenas condições de navegar. Segundo ele, isso foi conseguido, mas gerou despesas. "Agora, a lancha está em perfeito funcionamento", garante.

"A Gilda é uma lancha que tem história e não deveria ser vendida como um simples barco na Internet", indigna-se o ex-proprietário, que após uma década restaurando o barco nos seus mínimos detalhes, o pôs de volta nas águas do lago Paranoá, 55 anos depois de JK ter feito o mesmo.

Durante esse tempo, no entanto, a também chamada "Lancha dos Presidentes" (já que, além de JK, serviu também a Getúlio Vargas, Jânio Quadros, João Goulart, e Castelo Branco) esteve à beira de sucumbir de vez ao tempo, ao ser abandonada na beira do lago por anos a fio.

Mas, resgatada a tempo por uma iniciativa privada (confira aqui a rica e curiosa história deste barco), sobreviveu e, agora, busca um novo dono, através da Internet.

 

Fotos: Central Sul de Leilões e Arquivo Pessoal de Gerard Souza

Sobre o autor

Jorge de Souza é jornalista há quase 40 anos. Ex-editor da revista “Náutica” e criador, entre outras, das revistas “Caminhos da Terra”, “Viagem e Turismo” e “Viaje Mais”. Autor dos livros “O Mundo É Um Barato” e “100 Lugares que Você Precisa Visitar Antes de Dizer que Conhece o Brasil”. Criou o site www.historiasdomar.com, que publica novas histórias náuticas verídicas todos os dias, fruto de intensas pesquisas -- que deram origem a seu terceiro livro, também chamado "Histórias do Mar - 200 casos verídicos de façanhas, dramas, aventuras e odisseias nos oceanos", lançado em abril de 2019.

Sobre o blog

Façanhas, aventuras, dramas e odisseias nos rios, lagos, mares e oceanos do planeta, em todos os tempos.