menu
Topo
Histórias do Mar

Histórias do Mar

Categorias

Histórico

Homem que viveu 30 anos numa ilha deserta sofre com a volta à vida urbana

Jorge de Souza

2004-10-20T18:04:00

04/10/2018 04h00

O japonês Masafumi Nagasaki, de 82 anos, que, três meses atrás, foi obrigado pelas autoridades do Japão a deixar a ilha onde viveu isolado por quase 30 anos por questões de saúde e proibido de retornar, está vivendo dias de amargura na sua "volta à civilização".

Alocado numa pequena casa na cidade de Ishigaki, mantida por um órgão de assistência social, o ex-ermitão, descoberto seis anos atrás e logo apelidado de Robinson Crusoé Japonês, passa os dias remoendo as lembranças da vida tranquila que levava na ilha e preenchendo o tempo com pequenas caminhadas no quarteirão, interrompidas a todo instante para recolher qualquer tipo de resíduo que encontra nas calçadas.


Desde que decidiu viver sozinho, feito um náufrago voluntário, na deserta ilha Sotobanari, na região de Okinawa, no extremo sul do Japão, Masafumi Nagasaki desenvolveu profundo respeito pela natureza e uma verdadeira obsessão por limpeza.

Quando os repórteres começaram a chegar à ilha, a fim de conhecê-lo, como fez o jornalista espanhol Alvaro Cerezo (clique aqui para ver o vídeo), ele os obrigava a, antes de desembarcar, mergulhar no mar e se lavar, para não "contaminar" a ilha. "Não posso ficar doente", explicava.

Mas, um dia, por conta da idade avançada, ficou. E, então, os órgãos japoneses de saúde foram buscá-lo e o levaram para um hospital, proibindo que ele retornasse à ilha para sempre.

Com isso, o desejo de Masafumi, de morrer em paz na sua ilha deserta, em total harmonia com a natureza, não poderá mais ser realizado. "É importante ter um bom lugar para morrer", explicava, ao tentar convencer os agentes de saúde a liberá-lo para retornar à ilha, após a internação. Não adiantou. Ele agora vive cercado de cuidados numa casa de verdade (e não dentro de uma gruta, como antes fazia na ilha), mas visivelmente incomodado.

"Ele não chega a estar deprimido com a nova vida, mas claramente desconfortável por voltar a viver numa cidade", diz o jornalista espanhol, dono de um site especializado em levar pessoas para viver a experiência de passar dias numa ilha deserta, que voltou a visitá-lo na semana passada.

Na nova vida que está sendo obrigado a levar, Masafumi também está se readaptando a usar roupas, porque, na ilha, ele vivia nu. E passou praticamente 30 anos assim. "No começo, eu até tinha algumas roupas, mas, um dia, um tufão passou pela ilha e saiu tudo voando. Daí, conclui que não precisava andar vestido num lugar onde não havia mais ninguém", explica.

Vegetariano convicto, Masafumi se alimentava apenas com as verduras que plantava na ilha e com o arroz que, de vez em quando, ia comprar numa ilha próxima, com o equivalente a cerca de 80 dólares que sua irmã lhe dava de ajuda. "Só quando ia até a outra ilha eu me vestia". Sequer pescava, porque tinha pena de tirar os peixes da água. "A natureza tem que ser respeitada", repete a cada instante o ex-ermitão, agora condenado a terminar os seus dias no mesmo local de onde havia fugido: as urbanizadas cidades do Japão.

Até onde se sabe, Masafumi Nagasaki foi o homem que mais tempo passou numa ilha deserta. Mais até que o neozelandês Tom Neale, que, na década de 1950, decidiu largar tudo e viver num desabitado atol do Pacífico, experiência que lhe rendeu um livro e muitas histórias, que resumidamente podem ser lidas clicando aqui.

Fotos: Docastaway

Sobre o autor

Jorge de Souza é jornalista há quase 40 anos. Ex-editor da revista “Náutica” e criador, entre outras, das revistas “Caminhos da Terra”, “Viagem e Turismo” e “Viaje Mais”. Autor dos livros “O Mundo É Um Barato” e “100 Lugares que Você Precisa Visitar Antes de Dizer que Conhece o Brasil”. Criou o site www.historiasdomar.com, que publica novas histórias náuticas verídicas todos os dias, fruto de intensas pesquisas -- que deram origem a seu terceiro livro, também chamado "Histórias do Mar - 200 casos verídicos de façanhas, dramas, aventuras e odisseias nos oceanos", lançado em abril de 2019.

Sobre o blog

Façanhas, aventuras, dramas e odisseias nos rios, lagos, mares e oceanos do planeta, em todos os tempos.