PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Histórias do Mar

175 anos depois, marinheiro de trágica expedição ao Ártico é identificado

Jorge de Souza

08/05/2021 04h00

Imagem: University of Waterloo/Diana Trepkov

 

Em maio de 1845, a Inglaterra despachou para o Ártico a mais poderosa expedição exploratória que já havia criado, com dois navios superequipados, o HMS Erebus e o HMS Terror, e 129 homens, sob o comando do experiente comandante John Franklin.

O objetivo era descobrir uma passagem que unisse os oceanos Atlântico e Pacífico entre os canais gelados do Ártico, o que encurtaria barbaramente as viagens para o continente asiático e a costa oeste americana.

Pelas dimensões e características da região, estava previsto que os dois navios, com todos aqueles homens a bordo, ficariam trancados no gelo, durante o inverno do Ártico, pois seria impossível achar o caminho, batizado de Passagem Noroeste, em poucos meses.

E foi o que aconteceu.

Só que, terminado o inverno, o gelo não derreteu e aqueles homens acabaram condenados a morrer de fome e de frio nos meses que se sucederam, após abandonarem os navios e partirem, a pé, em busca de ajuda, em meio a um deserto permanentemente inóspito e gelado.

Ninguém sobreviveu.

Imagem: Hulton Archive/Getty Images

Anos depois, outras expedições enviadas em busca deles só encontraram ossadas congeladas, impossíveis de serem identificadas.

Graças ao DNA

Até que veio o século 21 e a possibilidade de se fazer isso através de exames de DNA, comparando componentes genéticos das ossadas com supostos descendentes daqueles expedicionários – uma tarefa, contudo, difícil, já que eram muitas ossadas e muitos supostos descendentes a serem comparados, feito um gigantesco quebra-cabeças.

Imagem: University of Waterloo/Diana Trepkov

Na semana passada, veio o primeiro resultado positivo.

A partir de amostras de DNA enviadas pelo sul-africano Jonathan Gregory, cuja família sempre suspeitou que fosse descendente de um dos integrantes daquela fatídica expedição inglesa (a começar pelo mesmo sobrenome…), foi possível identificar positivamente uma das ossadas: a do marinheiro do H.M.S. Erebus, John Gregory, que morreu 175 anos atrás.

Com isso, Jonathan tornou-se, oficialmente, tataraneto de um dos membros daquela histórica e trágica expedição.

Ossada, agora, tem nome

Foi a primeira vez que uma identificação desse tipo pode ser realizada, o que abre esperanças de que outras ossadas de membros daquela fatídica expedição, que seguem depositadas no gelo do Ártico, mas agora sob a tutela de historiadores e antropólogos, também possam, finalmente, ganhar um nome.

A comparação foi feita por técnicos da Universidade de Waterloo, do Canadá, que ficaram entusiasmados com o primeiro "match" entre as vítimas daquela tragédia e seus atuais descendentes – única forma de conseguir identificar as ossadas, fazendo o caminho inverso nas análises genealógicas.

Foto: University of Waterloo/Robert W. Park

"Pelo menos uma daquelas sepulturas já deixou de ser a de um ser anônimo", comemorou o pesquisador Douglas Stenton, que, agora, a partir do sucesso da primeira identificação, acredita conseguir outras mais, já que mais famílias tenderão a colaborar, enviando amostras de seus DNAs para serem comparados com os das ossadas.

Uma trágica expedição

Além de revelar a sua identidade, a análise dos ossos mostrou que o marinheiro John Gregory tinha entre 43 e 47 anos de idade quando morreu, e ainda permitiu a sua reconstituição facial, o que deixou o seu tataraneto ainda mais recompensado por ter ajudado na pesquisa.

"Foi uma sensação estranha e interessante ver a cara do meu tataravô e ter contribuído para identificá-lo", disse Jonathan Gregory, ao receber a notícia do resultado positivo do teste.

A identificação provou que o marinheiro John Gregory sobreviveu três anos no frio inclemente do Ártico, e que morreu a cerca de 75 quilômetros do ponto onde os dois navios foram abandonados – e, mais tarde, afundaram, em um dos mais dramáticos episódios da história das explorações marítimas, que incluiu até atos de canibalismo e pode ser conhecido clicando aqui.

Sobre o autor

Jorge de Souza é jornalista há quase 40 anos. Ex-editor da revista “Náutica” e criador, entre outras, das revistas “Caminhos da Terra”, “Viagem e Turismo” e “Viaje Mais”. Autor dos livros “O Mundo É Um Barato” e “100 Lugares que Você Precisa Visitar Antes de Dizer que Conhece o Brasil”. Criou o site www.historiasdomar.com, que publica novas histórias náuticas verídicas todos os dias, fruto de intensas pesquisas -- que deram origem a seu terceiro livro, também chamado "Histórias do Mar - 200 casos verídicos de façanhas, dramas, aventuras e odisseias nos oceanos", lançado em abril de 2019.

Sobre o blog

Façanhas, aventuras, dramas e odisseias nos rios, lagos, mares e oceanos do planeta, em todos os tempos.